subject
Português, 28.06.2021 21:20 camila5715

ME AJUDEM POR FAVOR Por que o funk e não o rap?

23/03/15 | Equipe Online

Thífani Postali

Para se pensar as práticas musicais rap e funk e suas relações com os

veículos de comunicação de massa, não podemos fugir à lógica mercadológica que

compreende a indústria do entretenimento. Visando atingir ao maior número de

pessoas possível, a indústria cultural admite ou adapta os produtos que melhor

atendam ao sistema capitalista. Como acrescenta Néstor Canclini, os formatos e as

mudanças permitidas são feitas de acordo com a dinâmica do mercado do sistema em

que se encontra. Assim, o que é passível de veiculação são os produtos culturais

rentáveis à indústria, que deixa de lado as escolhas pessoais dos produtores, no caso,

dos compositores de rap e funk.

De acordo com Edgar Morin, as produções da indústria cultural são dirigidas a

todos, ou seja, às diferentes idades, às diversas classes e grupos sociais, que formam

a massa de consumo para as indústrias nacionais ou mundiais.

Considerando as colocações de Canclini e Morin, a fórmula para se inserir nos

meios de comunicação de massa implica produzir conteúdos que dialoguem com o

maior número de pessoas. Assim, alguns temas, como amor, sexo e poder, são

líderes nas produções massivas, já que envolvem textos facilmente identificáveis por

uma maioria.

Surgidas a partir da segunda metade do século XX, as práticas culturais

urbanas rap e funk são oriundas de um mesmo grupo social, formado por jovens que

se encontram às margens da vida social urbana, ou melhor, daquilo que se coloca

como ideal da vida social urbana, já que são desfavorecidos economicamente.

O rap, por exemplo, tem sua raiz na Jamaica e surgiu em 1960, quando a

população carente do país passou a utilizar a música como meio de expressão contra

o sistema local. Da Jamaica para os Estados Unidos e depois para o mundo - graças

às novas tecnologias, o rap tornou-se a música do movimento Hip Hop, que tem como

finalidade disseminar "Paz, Amor, União e Diversão" por meio de manifestações

artísticas chamadas de elementos, tais como o rap, a dança, o grafitti, os MCs e os

DJs.

É claro que as invenções humanas podem ser utilizadas para diversos fins. A

princípio, o Hip Hop foi criado por África Bambaataa para diminuir a violência e

disciplinar as gangues dos guetos de Nova Iorque. Entretanto, cientes da capacidade

que a música rap tem em disseminar informações, outras gangues começaram a

utilizá-la para fazer apologia ao crime e ao uso de drogas ilegais. A partir dessa

situação, Bambaataa criou o quinto elemento do movimento, chamando-o de

"conhecimento". A intenção era legitimar o movimento dizendo que o verdadeiro Hip

Hop tem que passar mensagens positivas ao grupo, além de despertar o senso crítico

dos jovens.

Por esse motivo, existem dois tipos de rap: aquele que possui conteúdo crítico-social

abrangendo discursos políticos e filosóficos e o gangsta rap, que relata o cotidiano

violento dos indivíduos que vivem esse contexto. Não coincidentemente, a maioria das

pessoas que desconhecem essa musicalidade a assimila à delinquência, o que é fruto

dos textos midiáticos que sempre trataram o rap de forma taxativa, dando ênfase

apenas às produções gangstas.

1-De que trata o artigo de opinião?

2-De acordo com o texto, qual a relação entre o texto e o título? Em que parágrafo isso

fica evidente?

3- Qual a tese apresentada pela autora?

4-A que conclusão a autora chega sobre a questão tratada?

5-No início do texto- 3 primeiros parágrafos- , a autora faz considerações sobre a

lógica mercadológica que rege a indústria do entretenimento. Nesse trecho, a autora

cita dois estudiosos. Quais são eles, e qual a importância da referência feita a eles?

6-Ao falar do funk e do rap, no desenvolvimento do texto, a autora faz comparações

entre eles. Aponte as semelhanças e diferenças entre eles.

7- O 7° parágrafo, apresenta uma explicação para o fato de as pessoas associarem o

rap à delinquência. Qual é essa explicação?

8-Para construir a sustentação de sua tese, a autora diversifica os tipos de

argumentos usados. Releia o 8° parágrafo do texto e identifique uma relação de causa

e consequência que funcione como argumento.

9- No último parágrafo do texto, a autora apresenta um contra-argumento, fazendo

uma ressalva em relação ao poder de influência da mídia. Identifique esse contra-

argumento e de que forma ele antecipa uma possível objeção do leitor em relação ao que é defendido pelo artigo?

10- Você concorda com a autora? Justifique sua opinião através de um argumento.

Respostas
Respostas: 2

Outra pergunta: Português

question
Português, 15.08.2019 00:33
Reescreva as frases a seguir substituindo o termo destacado por um pronome obliquo. ex: menino vai fechar a janela. menino vai fechá-la a- pretendiam entregar *os jornais* antes da hora. b- eles repõem *os produtos* nas prateleiras todos os dias. c- os meninos largaram *as bicicletas* e correram. d- entregamos *a encomenda* conforme o pedido. e- fiz *os pacotes* e deixei-os sobre a mesa. f-distribuíram *os presentes* a crianças carentes. g- espero encontrar *minha amiga* na hora combinada. h- pega os pratos e põe *os pratos* no armário. por favor me ajudem, obrigadaa
Respostas: 1
question
Português, 14.08.2019 23:50
De uma forma poética e inusitada autora adriana falcão em seu livro pequeno dicionário de palavras ao vento cria verbetes definindo termo comum em nosso cotidiano com base na definição dados sobre o vocábulo efêmero você consegue usando linguagem denotativa estabelecer significado desse termo
Respostas: 3
question
Português, 14.08.2019 23:50
Os verbos estão no passado ou no presente
Respostas: 1
question
Português, 14.08.2019 23:49
Substitua a locução adjetiva equivalente força de leão​
Respostas: 1
Você sabe a resposta certa?
ME AJUDEM POR FAVOR Por que o funk e não o rap?

23/03/15 | Equipe Online

Thíf...
Perguntas